Costume das Selichot


As Selichot ditas no mês de Elul, nos dez dias de Teshuvá (entre Rosh Hashaná e Yom Kipur) e também em dias de jenjuns são composições poéticas canções e rezas de pedidos de perdão, misericórdia e piedade a Deus dos pecados e transgressões do povo judeu. Estas composições e rezas são compostas de versículos do Tanach e de ditos dos sábios que fazem referência aos anseios por arrependimento, lembrança dos méritos dos patriarcas que protege a seus descendentes e o clamor pelos treze tributos de benevolência de Deus, os quais são repetidos diversas vezes no decorrer do serviço das selichot.

Tefilin Prudut

Tefilin Gassot Feitos a partir de uma única peça de couro com compartimentos completamente independentes. Escrita mehuderete Correias pretas dos dois lados Envio Gratis

2.300,00 ₪

O mês de Elul e os dez dias de Teshuvá são o momento mais propício para buscar a misericórdia de Hashem para a expiação dos pecados e o recebimento de mais uma oportunidade para seguir com uma vida digna e orientada pelos valores da Torá. O momento é mais proprício pois, segundo a tradição, nestes dias os pedidos por perdão e bênçãos são mais aceitos, ou possuem mais alcance nos céus.

O costume do serviço das selichot é bastante antigo e já desde o tempo dos gueonim se tem registro da prática de rezas de arrependimento nos dez dias de Teshuvá, conforme mencionado por Harav Kohen Tzedek Gahon (século VIII) e Rabenu Hai Gaon (Século XI). Rabenu Itzhak Ibn Ghiyyat (Córdoba século XI) traz como costume nas terras espanholas a recitação das selichot desde o início do mês de Elul. Harav Ibn Ghiyyat foi um poeta e escreveu canções para 9 de Av, Selichot e Yom Kipur. A exemplo:

סליחה / יצחק אבן גיאת

כָּל גּוֹי שׁוֹאֵל בְּמַקְלֹו / וְתוֹעֶה אַחֲרֵי הֲבָלָיו –

וְגוֹי אֶחָד שָׁת כִּסְלוֹ / אֵל, וּבוֹ כָל מִשְׁאָלָיו,

וְכָל עוֹד יִשָּׂא קוֹלוֹ / קְרוֹבִים אֶל אֵל מִלָּיו.

וּמִי גוֹי גָדוֹל אֲשֶׁר לוֹ / אֱלֹהִים קְרוֹבִים אֵלָיו

כַּייָ אֱלֹהֵינוּ / בְכָל קָרְאֵנוּ אֵלָיו?

יָהּ יַעֲקֹב בָּחַר לוֹ / וְנִקְרָא חֶבֶל נַחֲלָה

יְסוֹד רֵאשִׁית מִפְעָלוֹ / עִמּוֹ בְמַחֲשָׁב עָלָה

וּבָאָרֶץ בִּגְלָלוֹ / שְׁכִינַת עֻזּוֹ חָלָה

וּבְנֹב וְגִבְעוֹן וְשִׁילֹה / וּבֵית הַבְּחִירָה נִגְלָה

וּמַה יְדִידוֹת הֵיכָלָיו / וּמַה טּוֹבוּ אֹהָלָיו!

צוּר הֶאֱמִיר צֹאן עֶדְרוֹ / לִהְיוֹת לוֹ לְעַם סְגֻלָּה –

וְיִשְׂרָאֵל הֶאֱמִירוּ / לְהוֹדוֹת לוֹ שִׁיר תְּהִלָּה,

וּבַצַּר לִמְצֹא עֶזְרוֹ / פְּנֵי אֵל זָר לֹא חִלָּה.

לְזֹאת יַקְשִׁיב קוֹל דְּבָרוֹ / בְעוֹדוֹ מְדַבֵּר בִּתְפִלָּה

וּמַה טּוֹב לִסְמוֹךְ עָלָיו / וְלַחֲסוֹת תַּחַת צְלָלָיו!

חַנּוּן קָרוֹב לְקוֹרְאָיו, / לְכָל קוֹרְאִים בֶּאֱמוּנָה,

וְאִם הוּא בִמְרוֹם צְבָאָיו – / נִמְצָא בְנֶפֶשׁ נַעֲנָה,

וְנִסְתָּר – וּבְעֵין פְּלָאָיו / נִרְאֶה בְרוּחַ נְכוֹנָה.

וּמִי גְבוּל חַסְדּוֹ יִתְאַו / וְרֹב גָּדְלוֹ מִי מָנָה?

וּמַחֲרִישׁ לְהַגִּיד פְּעָלָיו / הוּא מַרְבֶּה מַהֲלָלָיו!

קָדוֹשׁ שַׂגִּיא וְנוֹרָא / יְמִין רוֹמֲמוּתוֹ יַרְאֶה

לְכַנֵּס עוֹד שֶׂה פְזוּרָה / וְיֶאֱסֹף עֵדֶר נִלְאֶה,

כִּי רַב שָׂבַע מְרוֹרָה / בְּעֹל צַר עָלָיו יִגְאֶה,

וְיִפְדֶּה בָנָיו מְהֵרָה, / וּמִפִּי עוֹרֵב יִדְאֶה

יַצִּיל אֶת גּוֹזָלָיו, / וּרְחֵלָיו – מִשְּׁחָלָיו.

Sem sombra de dúvidas uma das composições mais antigas e conhecidas é a “Adon Haselichot” cantada com fervor nas noites e madrugadas de Selichot por adultos e crianças.

Mezuza Sefaradi 12cm

Mezuzah Sefaradi Mehuderet 12cm - Pergaminho Casher - Escrita Mehuderet - Caixa de plástico transparente compativel com qualquer porta - Envio Gratis

150,00 ₪

As selichot como as conhecemos hoje são o fruto de um processo longo de composição, adaptação e costumes que foram adotados por cada geração. Encontramos na Guemará o que seria o ritual de arrependimento conhecido como “seder taanit” (ordem do jejum). Nele se os lideres da cidade, os anciãos e os membros do beit din colocavam cinzas sobre as cabeças uns dos outros e o mais velho dizia palavras de exortação: “irmãos! Não se disse aos habitantes de Ninive ‘e viu Deus seus sacos e seus jejuns’, senão, ‘e viu Deus suas ações, pois se arrependeram de suas más ações'”[1].

Em outra situação explica Abaye as palavras de Rav Huna que disse: “מצפרא כינופיא” (visita-se o ajuntamento (de pessoas) e se ocupa nas questões do arrependimento”. Assim explicou: “Desde a manhã até o meio dia se foca e julga aos olhos da cidade. Desde o meio dia até o entardecer se lê a Torá e sua explicação por 1/4 do dia e depois, no segundo 1/4 restante pedem por misericórida”[2].

Já no períodos dos Geonim encontamos que nas yeshivot de Sura e Pombadita se acostumaram a recitar as selichot nos dez dias de Teshuvá. E nisso fez menção Rambam de que se “se acostumou toda a casa de Israel aumentar em Tzedaká, boas ações e se ocupar em mitzvot desde Rosh Hashaná até o Yom Kipur mais que nos demais dias do ano. E todos se acostumaram a se levantar a noite nesses dez dias para rezar nas sinagogas expressões de arrependimento e contrição até o amanhecer”[3].

Rambam traz na halachá o costume das modificações na amidá nas berachot Hamelech Hakadosh e Hamelech Hamishpat nos dez dias de Teshuvá. Também traz os costumes de acréscimos de pedidos nas tefilot durante esses dias. Isso nos mostra que até seu tempo o foco original dos pedidos de perdão e teshivá eram nos dez dias desde Rosh Hashaná até Yom Kipur.

Na comunidade Yemenita o costume de Selichot chegou tardiamente devido a seu relativo isolamento da comunidade judaica. Não registro das praticas organizadas das selichot desde o mês de Elul antes do século XVII. Contudo, em alguns sidurim mais antigos se encontrou um apêndice com textos de selichot ao final no livro que possivelmente antendia a necessidade pessoal de conduzir seu coração ao arrependimento, principalmente nos dez dias de Teshuvá.

Tefilá, qualquer que seja, é costume se aumentar e nunca diminuir, pois ela é uma manifestação de amor e aproximação a Kadosh Baruch Hu. Nestes dias onde costumamos dizer que Hamelech Basadê (o Rei está no campo) é o próprio Deus que se aproxima de nós para escutar nossas petições. E como disse Rabenu que nestes dias de Teshuvá Hashem escuta a reza de qualquer pessoa individualmente independente de sua condição espiritual, o que não é assim nos demais dias do ano. Então aproveitemos para manter o laço de conecxão e união com aquele que nos criou.


[1] Taanit 15:11

[2] Meguilá 30a

[3] Leis de Teshuvá 3:4



Categorias:Curiosidades, emuná, Leis de Teshuvá

Etiquetas:, , , , ,

1 reply

  1. Muito exclarecedor sobre selichot, todá rabah chavé

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: