Costume das Selichot


As Selichot ditas no mês de Elul, nos dez dias de Teshuvá (entre Rosh Hashaná e Yom Kipur) e também em dias de jenjuns são composições poéticas canções e rezas de pedidos de perdão, misericórdia e piedade a Deus dos pecados e transgressões do povo judeu. Estas composições e rezas são compostas de versículos do Tanach e de ditos dos sábios que fazem referência aos anseios por arrependimento, lembrança dos méritos dos patriarcas que protege a seus descendentes e o clamor pelos treze tributos de benevolência de Deus, os quais são repetidos diversas vezes no decorrer do serviço das selichot.

Tefilin Prudut

Tefilin Gassot Feitos a partir de uma única peça de couro com compartimentos completamente independentes. Escrita mehuderete Correias pretas dos dois lados Envio Gratis

2.300,00 ₪

O mês de Elul e os dez dias de Teshuvá são o momento mais propício para buscar a misericórdia de Hashem para a expiação dos pecados e o recebimento de mais uma oportunidade para seguir com uma vida digna e orientada pelos valores da Torá. O momento é mais proprício pois, segundo a tradição, nestes dias os pedidos por perdão e bênçãos são mais aceitos, ou possuem mais alcance nos céus.

O costume do serviço das selichot é bastante antigo e já desde o tempo dos gueonim se tem registro da prática de rezas de arrependimento nos dez dias de Teshuvá, conforme mencionado por Harav Kohen Tzedek Gahon (século VIII) e Rabenu Hai Gaon (Século XI). Rabenu Itzhak Ibn Ghiyyat (Córdoba século XI) traz como costume nas terras espanholas a recitação das selichot desde o início do mês de Elul. Harav Ibn Ghiyyat foi um poeta e escreveu canções para 9 de Av, Selichot e Yom Kipur. A exemplo:

סליחה / יצחק אבן גיאת

כָּל גּוֹי שׁוֹאֵל בְּמַקְלֹו / וְתוֹעֶה אַחֲרֵי הֲבָלָיו –

וְגוֹי אֶחָד שָׁת כִּסְלוֹ / אֵל, וּבוֹ כָל מִשְׁאָלָיו,

וְכָל עוֹד יִשָּׂא קוֹלוֹ / קְרוֹבִים אֶל אֵל מִלָּיו.

וּמִי גוֹי גָדוֹל אֲשֶׁר לוֹ / אֱלֹהִים קְרוֹבִים אֵלָיו

כַּייָ אֱלֹהֵינוּ / בְכָל קָרְאֵנוּ אֵלָיו?

יָהּ יַעֲקֹב בָּחַר לוֹ / וְנִקְרָא חֶבֶל נַחֲלָה

יְסוֹד רֵאשִׁית מִפְעָלוֹ / עִמּוֹ בְמַחֲשָׁב עָלָה

וּבָאָרֶץ בִּגְלָלוֹ / שְׁכִינַת עֻזּוֹ חָלָה

וּבְנֹב וְגִבְעוֹן וְשִׁילֹה / וּבֵית הַבְּחִירָה נִגְלָה

וּמַה יְדִידוֹת הֵיכָלָיו / וּמַה טּוֹבוּ אֹהָלָיו!

צוּר הֶאֱמִיר צֹאן עֶדְרוֹ / לִהְיוֹת לוֹ לְעַם סְגֻלָּה –

וְיִשְׂרָאֵל הֶאֱמִירוּ / לְהוֹדוֹת לוֹ שִׁיר תְּהִלָּה,

וּבַצַּר לִמְצֹא עֶזְרוֹ / פְּנֵי אֵל זָר לֹא חִלָּה.

לְזֹאת יַקְשִׁיב קוֹל דְּבָרוֹ / בְעוֹדוֹ מְדַבֵּר בִּתְפִלָּה

וּמַה טּוֹב לִסְמוֹךְ עָלָיו / וְלַחֲסוֹת תַּחַת צְלָלָיו!

חַנּוּן קָרוֹב לְקוֹרְאָיו, / לְכָל קוֹרְאִים בֶּאֱמוּנָה,

וְאִם הוּא בִמְרוֹם צְבָאָיו – / נִמְצָא בְנֶפֶשׁ נַעֲנָה,

וְנִסְתָּר – וּבְעֵין פְּלָאָיו / נִרְאֶה בְרוּחַ נְכוֹנָה.

וּמִי גְבוּל חַסְדּוֹ יִתְאַו / וְרֹב גָּדְלוֹ מִי מָנָה?

וּמַחֲרִישׁ לְהַגִּיד פְּעָלָיו / הוּא מַרְבֶּה מַהֲלָלָיו!

קָדוֹשׁ שַׂגִּיא וְנוֹרָא / יְמִין רוֹמֲמוּתוֹ יַרְאֶה

לְכַנֵּס עוֹד שֶׂה פְזוּרָה / וְיֶאֱסֹף עֵדֶר נִלְאֶה,

כִּי רַב שָׂבַע מְרוֹרָה / בְּעֹל צַר עָלָיו יִגְאֶה,

וְיִפְדֶּה בָנָיו מְהֵרָה, / וּמִפִּי עוֹרֵב יִדְאֶה

יַצִּיל אֶת גּוֹזָלָיו, / וּרְחֵלָיו – מִשְּׁחָלָיו.

Sem sombra de dúvidas uma das composições mais antigas e conhecidas é a “Adon Haselichot” cantada com fervor nas noites e madrugadas de Selichot por adultos e crianças.

Mezuza Sefaradi 12cm

Mezuzah Sefaradi Mehuderet 12cm - Pergaminho Casher - Escrita Mehuderet - Caixa de plástico transparente compativel com qualquer porta - Envio Gratis

150,00 ₪

As selichot como as conhecemos hoje são o fruto de um processo longo de composição, adaptação e costumes que foram adotados por cada geração. Encontramos na Guemará o que seria o ritual de arrependimento conhecido como “seder taanit” (ordem do jejum). Nele se os lideres da cidade, os anciãos e os membros do beit din colocavam cinzas sobre as cabeças uns dos outros e o mais velho dizia palavras de exortação: “irmãos! Não se disse aos habitantes de Ninive ‘e viu Deus seus sacos e seus jejuns’, senão, ‘e viu Deus suas ações, pois se arrependeram de suas más ações'”[1].

Em outra situação explica Abaye as palavras de Rav Huna que disse: “מצפרא כינופיא” (visita-se o ajuntamento (de pessoas) e se ocupa nas questões do arrependimento”. Assim explicou: “Desde a manhã até o meio dia se foca e julga aos olhos da cidade. Desde o meio dia até o entardecer se lê a Torá e sua explicação por 1/4 do dia e depois, no segundo 1/4 restante pedem por misericórida”[2].

Já no períodos dos Geonim encontamos que nas yeshivot de Sura e Pombadita se acostumaram a recitar as selichot nos dez dias de Teshuvá. E nisso fez menção Rambam de que se “se acostumou toda a casa de Israel aumentar em Tzedaká, boas ações e se ocupar em mitzvot desde Rosh Hashaná até o Yom Kipur mais que nos demais dias do ano. E todos se acostumaram a se levantar a noite nesses dez dias para rezar nas sinagogas expressões de arrependimento e contrição até o amanhecer”[3].

Rambam traz na halachá o costume das modificações na amidá nas berachot Hamelech Hakadosh e Hamelech Hamishpat nos dez dias de Teshuvá. Também traz os costumes de acréscimos de pedidos nas tefilot durante esses dias. Isso nos mostra que até seu tempo o foco original dos pedidos de perdão e teshivá eram nos dez dias desde Rosh Hashaná até Yom Kipur.

Na comunidade Yemenita o costume de Selichot chegou tardiamente devido a seu relativo isolamento da comunidade judaica. Não registro das praticas organizadas das selichot desde o mês de Elul antes do século XVII. Contudo, em alguns sidurim mais antigos se encontrou um apêndice com textos de selichot ao final no livro que possivelmente antendia a necessidade pessoal de conduzir seu coração ao arrependimento, principalmente nos dez dias de Teshuvá.

Tefilá, qualquer que seja, é costume se aumentar e nunca diminuir, pois ela é uma manifestação de amor e aproximação a Kadosh Baruch Hu. Nestes dias onde costumamos dizer que Hamelech Basadê (o Rei está no campo) é o próprio Deus que se aproxima de nós para escutar nossas petições. E como disse Rabenu que nestes dias de Teshuvá Hashem escuta a reza de qualquer pessoa individualmente independente de sua condição espiritual, o que não é assim nos demais dias do ano. Então aproveitemos para manter o laço de conecxão e união com aquele que nos criou.


[1] Taanit 15:11

[2] Meguilá 30a

[3] Leis de Teshuvá 3:4



Categorias:Curiosidades, emuná, Leis de Teshuvá

Etiquetas:, , , , ,

1 reply

  1. Muito exclarecedor sobre selichot, todá rabah chavé

    Gostar

Deixe uma Resposta para GILVANIO PAIM DA CRUZ Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: